banner divulgue

igreja petencostal soldado de israel - ipsi

domingo, 21 de agosto de 2011

SANTIFICAÇAO


Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor. Hebreus 12:14.Para o Autor da Carta aos Hebreus, a santidade é o caminho para ver a Deus: “Esforçai-vos para viver em paz com todos e para serem santos. Sem santidade, ninguém verá a Deus” (Hebreus 12:14).

O Senhor nos instrui: “Sede santos, porque Eu sou santo”. Quando aplicada ao Senhor, a qualidade da santidade nada tem a ver com despir-se de pecado. O Senhor é íntegro, é autêntico, é completamente coerente com Sua natureza. Porque o Senhor é santo. Ele é “o mesmo ontem, hoje e para sempre”.

O Autor de Hebreus nos diz que o caminho para “ver o Senhor” é o exercício da santificação. A santidade abre os nossos olhos: a cegueira do pecado nos impede a percepção do Senhor. A santidade produz sensibilidade espiritual: é ela que nos permite “ter a mente de Cristo”.

A santidade nos habilita a ter a matéria-prima do amor: porque “Deus é amor”. A santidade não nos humilha, nem nos diminui. Porque ela nos capacita a “ver a Deus”, a santificação nos permite viver com a “alegria da nossa salvação”.

COM AMOR, JESUS CRISTO!

OH E AGORA

 Óh, e agora quem poderá me defender?

Na minha infância e adolescência gostava muito de assistir a uma série de TV que era pura comédia, nesta um herói meio desastrado chamado Chapolin Colorado aparecia para salvar pessoas em apuros quando essas pessoas gritavam de forma muito engraçada tentando simular pânico, mas conseguindo apenas fazer daquele momento uma grande piada.

Para a minha mente infantil era muito legal quando ouvia a vítima gritar: __ Oh! E agora, quem poderá me defender?! E então aparecia o Chapolin e gritava numa fala teatral armada para parecer mal ensaiada: __ Eu!!! O Chapolin Colorado!!!

Lembro-me do sentimento de alegria infantil por ver que havia uma resposta simples para a pergunta: E AGORA QUEM PODERÁ ME DEFENDER?

E o salmo 91 responde: "É Ele quem o livrará do laço do caçador e do veneno mortal, é Ele quem o cobrirá com as suas penas, e debaixo das asas d'Ele você encontrará refúgio. É a fidelidade dele que será o seu escudo protetor"

Quando o texto diz que é Ele que te livrará está dizendo que não é você que conseguirá se livrar sozinho mesmo que depois de estar livre você pense que se livrou por suas próprias forcas ou inteligência ou por qualquer outra ferramenta humana.

Este texto usa três figuras de linguagem para comunicar essa idéia de que nosso socorro só pode vir do Deus altíssimo e nunca de nós mesmos.

A primeira figura é a figura de um pássaro que caiu na arapuca do caçador e não consegue sair dali a menos que muito maior e muito mais poderoso que ele resolva levantar o peso da arapuca e livrá-lo da morte certa. Pense por um pouco: quanto tempo aquele pássaro levará para se debater tentando fugir da arapuca antes de parar de lutar e admitir que realmente precisa de alguém mais forte do ele pra libertá-lo da arapuca? Quanto tempo você vai demorar se debatendo desesperadamente com seus problemas tentando resolve-los com sua força de vontade antes de admitir que: "É Ele quem o livrará do laço do caçador?"

A segunda figura é a figura de uma pessoa que foi picada na perna por uma víbora de peçonha mortal e que para não morrer precisa de alguém que ponha a boca sobre a picada e sugue o veneno antes que se espalhe pela corrente sanguínea. Pense por um pouco: quanto tempo uma pessoa assim vitimada levará tentando levar a boca ao próprio tornozelo antes de parar de lutar e admitir que realmente precisa de alguém com mais flexibilidade e acesso que ele para alcançar lugares e realizar tarefas que ele definitivamente não pode fazer, alguém que livrá-lo da morte.

Quanto tempo você vai demorar se contorcendo e lutando para usar o máximo de sua flexibilidade e jogo de cintura lutando para o veneno enviado contra você não te atinja antes de admitir que: "É Ele quem o livrará do... veneno mortal...?"

A terceira figura é a figura de uma galinha que para no meio do quintal quando a chuva vem e chama a si os seus pintinhos e cada um deles vem e se esconde da chuva debaixo das asas de sua mãe. A questão é que se a chuva cair sobre a penugem frágil do pintinho o encharcará rapidamente diminuindo sua temperatura e produzindo a morte em pouco tempo, enquanto que debaixo das asas se sua mãe terá um telhado impermeável enquanto se mantém aquecido pelo calor do corpo de sua mãe.

Pense por um pouco: quanto tempo um pintinho rebelde, auto-suficiente e controlador vai suportar a força depressora da chuva e do frio tentando com seus escassos recursos manter a si mesmo seco e aquecido antes de para de lutar e admitir que tem sido um pintinho estúpido e que precisa da cobertura e do calor da mãe galinha.

Quanto tempo você vai demorar tentando ser sua própria cobertura e produzir sua própria energia espiritual antes de admitir que: "...é Ele quem o cobrirá com as suas penas, e debaixo das asas d'Ele você encontrará refúgio..."

Depois de nos presentear com estas três figuras riquíssimas o texto nos faz entender que é na fidelidade dele que devemos confiar e não em nossa própria fidelidade, isso nos faz pensar que muitas vezes deixamos de confiar na fidelidade de Deus porque nós não conseguimos ser fieis, mas Ele é fiel mesmo quando somos infiéis, pois não pode negar a si mesmo. Hoje Deus lhe fala com carinho que é Ele e não você!!!

guerreiros

google PESQUISA

Pesquisa personalizada